Saúde

Quais são as doenças oculares mais comuns no Brasil?

doenças oculares mais comuns

Aproveitando a campanha Abril Marrom, mês de conscientização para prevenção da cegueira e educação sobre os cuidados com a saúde ocular, neste post você vai conhecer as doenças oculares mais comuns no Brasil e seus principais sintomas.

Muitas pessoas erroneamente associam a miopia como a doença ocular mais comum. Apesar de atingir uma grande parcela da população a miopia é na verdade um distúrbio ocular e, segundo o banco de dados da OMS, estima-se que de 2020 a 2040 a miopia aumente 89% e passe de 6,8 milhões para 12,9 milhões de casos.

É comum subestimar o cuidado com os olhos e só procurar o oftalmologista quando os sintomas aparecem, ao invés de realizar visitas periódicas e preventivas. No entanto, muitas doenças oculares possuem um tratamento mais efetivo se diagnosticadas logo cedo. Saiba mais:

Catarata

A catarata se caracteriza por deixar o cristalino opaco, diminuindo a visão e deixando-a embaçada. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a catarata é responsável por cerca de 47% dos casos de cegueira do mundo, e atinge principalmente a população acima de 40 anos.

Inicialmente, essa doença ocular pode não apresentar sintomas e pode aparecer mais precocemente em pacientes diabéticos que não cuidam adequadamente dos níveis de glicemia. O diagnóstico é realizado em consultas ao oftalmologista e o tratamento mais indicado é a cirurgia, que é rápida e muito delicada, porém bastante eficaz.

Conjuntivite

Conjuntivite é o nome que se dá ao processo inflamatório que acontece na conjuntiva, membrana que cobre a região branca do olho e a superfície interna das pálpebras. Entre seus principais sintomas, estão a vermelhidão, secreção, coceira, inchaço das pálpebras e sensação de corpo estranho.

A conjuntivite pode ser causada por vírus, bactérias, fungos ou alergias e pode ocorrer em qualquer idade. Seu diagnóstico é clínico e o tratado é feito com colírios (geralmente com antibióticos na composição) e compressas de soro fisiológico para a limpeza. Em caso infeccioso, evite o contato com pessoas contaminadas e aumente a higiene (lavar as mãos frequentemente, usar álcool para desinfecção de objetos e separar toalhas exclusivas para a pessoa com a doença).

Glaucoma

Uma das doenças oculares mais comuns e também mais sérias é o glaucoma, caracterizado por um aumento de pressão intraocular, que faz com que ocorram danos irreparáveis no nervo óptico (responsável por levar as informações visuais até o cérebro). Sem um diagnóstico e tratamento adequados, o glaucoma causa uma diminuição progressiva da visão periférica e o paciente pode até ficar cego.

Sem sintomas nas fases iniciais, o glaucoma também afeta principalmente a população idosa, mas também possui outras causas. O diagnóstico é feito em consulta ao oftalmologista, e por ser uma doença crônica, não possui cura. O tratamento tem como objetivo reduzir a pressão nos olhos, e é feito através de colírios, medicamentos e alguns casos exigem cirurgia.

Retinopatia diabética

A retinopatia diabética é considerada uma doença ocular vascular, que atinge a retina de pacientes diabéticos.Geralmente, a doença se manifesta com a diminuição da visão, de forma progressiva ou súbita. Quando o nível de glicose do diabético fica elevado por muito tempo, isso causa uma lesão nos vasos sanguíneos da retina. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo, cerca de 90% dos pacientes de diabetes tipo 1 (dependentes de insulina) e 60% dos pacientes do tipo 2 (não dependentes de insulina), podem desenvolver a doença ocular ao longo da vida.

O diagnóstico pode ser feito no oftalmologista através do exame de fundo de olho, ou mapeamento da retina. A tomografia de coerência óptica (OCT) é outro exame importante para acompanhamento da retinopatia diabética. Para o tratamento, o mais importante é o controle da diabetes por meio da alimentação, atividades físicas e o uso correto dos medicamentos. A maioria dos casos conta também com tratamento específico para os olhos, com medicamentos intraoculares, laser ou cirurgia em casos mais graves.

Degeneração macular relacionada à idade (DMRI)

Conhecida também como DMRI, a degeneração macular relacionada à idade é uma doença degenerativa da mácula (parte central da retina, responsável pela visão detalhada), que se manifesta com a diminuição da visão, com distorção das linhas na visão de perto e, às vezes, com o aparecimento de manchas.

Como o nome indica, a doença ocorre por conta da idade e costuma aparecer após os 60 anos e é considerada uma das principais causas de cegueira na terceira idade. Apesar de estar ligada a fatores genéticos e hereditários, também pode ser associada ao tabagismo04, dieta rica em gordura e exposição excessiva ao sol.

A doença não possui cura, porém existem tratamentos para manter a qualidade de vida do paciente e desacelerar a degeneração macular. O ideal é o diagnóstico precoce, pois são maiores as chances de manter a visão em um bom nível.

Por isso, mantenha os exames em dia e realize consultas uma vez ao ano, no mínimo. E procure um médico oftalmologista assim que notar sintomas diferentes.

Ouça o post

O artigo escrito por:

Profissional Técnica Óptica, é formada em Técnico Óptico no Senac Tiradentes e tem mais de 18 anos de experiência na área. Tem conhecimentos avançados sobre lentes de contato, podendo facilmente identificar, interpretar e aplicar tecnologias disponíveis para adaptação de lentes de contato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.