Saúde

Os riscos da automedicação para a saúde dos olhos

Mesmo sabendo do perigo de usar remédios com base na indicação de amigos ou família, muitas pessoas ainda recorrem à automedicação regularmente, sem prescrição médica. Porém, os médicos alertam: essa prática faz mal à visão! 

 

No que diz respeito à saúde ocular, um dos erros mais comuns é pensar que colírios não possuem efeitos colaterais. No entanto, todo medicamento é desenvolvido para combater uma determinada enfermidade – seja um alívio aos sintomas ou a eliminação do agente causador. Nenhum remédio pode ser considerado inofensivo ao nosso organismo. O uso inadvertido de colírios, por exemplo,  pode até mesmo mascarar sintomas, agravar o quadro e, em alguns casos, até causar a perda da visão. 

 

Todo medicamento tem consequências e possíveis efeitos colaterais, de forma que só um profissional qualificado está apto a realizar o diagnóstico e indicar o tratamento adequado. Sem a devida indicação médica, a única coisa que se pode passar nos olhos é água limpa. Confira a seguir as consequências da automedicação de colírios:

 

Alergias

Alguns colírios, conhecidos como “lágrimas artificiais”, tem função de lubrificar os olhos e são muito utilizados por quem usa lentes de contato ou no tratamento de olho seco. Apesar de serem menos agressivos, sua fórmula pode incluir conservantes que, em alguns casos, podem causar alergias.

 

Catarata

A catarata é uma doença ocular que deixa o cristalino opaco e vai, aos poucos, comprometendo a visão do paciente. Num geral, ela atinge pessoas com mais de 60 anos, mas o uso de colírios com corticoide sem devida orientação médica pode acelerar ou até promover o desenvolvimento da doença. 

 

Glaucoma

O glaucoma é causado pelo aumento da pressão intraocular, afetando o nervo óptico e comprometendo a visão. É uma das principais causas da cegueira irreversível. Assim como a catarata, a automedicação com colírios antiinflamatórios e/ou com corticoide pode acelerar ou promover a doença. 

 

Úlcera na córnea

A lesão na córnea do olho inclui visão embaçada, vermelhidão e dor. Em geral, é causada por uma infecção por vírus, bactérias ou fungo, e requer tratamento imediato. 

 

O uso prolongado de colírios antibióticos pode aumentar a predisposição ao seu surgimento, uma vez que eles reduzem a imunidade do paciente. 

 

Problemas cardíacos

Através do canal lacrimal, o remédio pode chegar à corrente sanguínea e, portanto, agir no organismo inteiro e não apenas nos olhos. Para quem tem alterações cardíacos, muito cuidado ao usar colírios vasoconstritores! 

 

Ao ser utilizado de forma incorreta, pode causar estreitamento das veias e artérias do corpo, aumentando as chances de alterações cardiovasculares.

 

Cremes e pomadas

O uso de cremes e pomadas também deve ser prescrito por um oftalmologista. Muitas pessoas, a fim de aliviar uma coceira ou ardor nos olhos, aplicam pomadas antialérgicas destinadas à pele na região dos olhos. Isso pode provocar complicações maiores, uma vez que os olhos são uma das regiões mais sensíveis do corpo humano e necessitam de medicamentos específicos. 

Olhos vermelhos

Aparentemente algo simples e fácil de ser tratado, existem muitos remédios caseiros e formas de automedicação para tratar dos olhos vermelhos. Porém, é preciso ressaltar que isso pode ser um sintoma de várias complicações diferentes, e cada qual exige um tratamento específico.

No caso de conjuntivite, por exemplo, o tratamento é feito através de colírios antibióticos. Se não for tratada de forma correta, pode se transformar numa úlcera na córnea ou até mesmo uma perfuração do globo ocular. Outro possível problema os corpos estranhos ou a ceratite. Estes também podem causar lesões graves se não forem tratados adequadamente. 

 

Como você pode ver, apesar de colírios parecerem simples e inofensivos, a automedicação pode ter consequências graves. Seja responsável e evite complicações: ao perceber algo anormal na vista, procure um oftalmologista. 

 

Ele estará apto a prescrever uma receita adequada. Com a saúde não se brinca!

Ouça o post

O artigo escrito por:

Profissional Técnica Óptica, é formada em Técnico Óptico no Senac Tiradentes e tem mais de 18 anos de experiência na área. Tem conhecimentos avançados sobre lentes de contato, podendo facilmente identificar, interpretar e aplicar tecnologias disponíveis para adaptação de lentes de contato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.